PUBLICIDADE
ARTIGOS & OPINIÃO
Conecte-se ao que importa
NILVA MORAES
Professora, Pós-graduada em Língua Portuguesa
 
 

COMPARTILHAR  
O ócio, "o não fazer nada" incomoda, mas vale a pena desacelerar a sua vida e a de seus filhos...

Hoje, tornou-se um desafio para um grande número de famílias lidar com o tempo livre, sem literalmente não fazer nada. A causa, além da correria do dia a dia, do estar sempre conectado, é o cérebro que não consegue mais se desacelerar.

É muito comum, ouvir as pessoas dizendo que não conseguem descansar mais. Quem tem filhos pequenos, então, é um desassossego total. Os bebês já não dormem mais como antigamente. E as crianças maiores e adolescentes, também, não conseguem relaxar. Logo que terminam de fazer algo, perguntam "o que vamos fazer agora", " não aguento ficar parado", como se estivessem que ficar o tempo todo fazendo algo, sem pararem um só momento.

Mas a grande verdade é que o ócio, "o não fazer nada", incomoda; muita gente diz. Mas, já está comprovado, cientificamente, segundo pesquisa feita por "Claudia Hammond - BBC Radio 4, que "quando estamos descansando, supostamente não fazendo nada, nossa mente tem a tendência de passear pelos pensamentos, e nosso cérebro acaba ficando mais "ocupado" do que quando está concentrado em uma só tarefa". Diferente do que pensávamos - que parados​, sem fazer uma tarefa específica, nosso cérebro estaria menos ativo.

Mesmo se alimentando, os pequenos, quase bebês, estão vendo um vídeo ou um desenho, e os maiores em frente a TV. Depois da escola, vão para o inglês, a natação, aula de música, ballet ou o judô, ou aula de teatro para aprender a representar. Só param quando dormem.

(Aliás, segundo leituras, nem dormindo pode ser classificado como um momento de não fazer​ nada. Estudos mostram que quando dormimos o nosso cérebro fica fazendo uma verdadeira faxina ou um verdadeira revisão do que foi feito durante o dia. Certamente, é por isso, fazendo uma reflexão bem ingênua, que as mães dizem para os pequenos - "vão dormir que a dor passa". "Amanhã é outro dia''. E tem fundamento mesmo - "nada do que um dia após o outro" para pensarmos melhor sobre algo.)

E o brincar, descontraidamente, o improvisar, o criar ou ficar sem fazer nada...só fica mesmo na teoria. Os brinquedos das crianças são os mais variados e para todos os gostos. Mas com tanta exposição e oferta de estímulos sonoros, visuais, físicos e informativos, eles ficam desestimulados, sem saberem​ com que brincar.

Nada chamam mais a atenção deles, como o iPad, o tablet ou mesmo o celular. "Quero ver vídeo'', diz meu netinho de dois anos e meio. Meu netinho de oito anos, apesar de gostar bastante de fazer seus próprios "inventos", vamos assim dizer, se pergunto: "Que invenção é esta? Logo, ele diz: Do celular, vó". " "Olhe aqui". Vai no youtube e encontra vários vídeos.

Mas, espaço para criar não há, basta copiar. Imagino como fica a sua cabecinha cheia de ideias, que já estão prontas. Por isso, talvez, as crianças estejam tão ansiosas, irritadas e se alimentando menos.

No entanto...em fim, não há "nada melhor do que não fazer nada". Deixar a mente vagar para estimular a criatividade, a produtividade e garantir uma boa qualidade de vida. Dar uma chance para a sua vida e para a criatividade de seus filhos é a palavra de ordem.

 

 

 



Últimas Notícias
 
Câmara de Caiapônia entrega títulos de cidadão caiaponiense
 
Polícia Civil ouve mulher de Caiapônia que acusa médium João de Deus de abuso sexual
 
Polícia prende acusado de tráfico de drogas em Caiapônia


NOTÍCIAS ARTIGOS & OPINIÃO  
AGROPECUÁRIA
ARTIGOS & OPINIÃO
CONCURSOS
COTIDIANO
CULTURA
ECONOMIA
EDUCAÇÃO
ESPORTE
EVENTOS
JUSTIÇA
MEIO AMBIENTE
POLÍCIA
POLÍTICA
REGIÃO
SAÚDE
SOCIEDADE
ATHOS FILIPE
FATIMA CRISTINA
GUINTHER JUNIOR
LEONARDO COUTO
NILVA MORAES


Facebook Instagram Facebook Instagram
© 2018. Todos direitos reservados a Folha de Caiapônia. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.